Sambando na Cova dos Artistas

POSTADO POR: admin sex, 21 de dezembro de 2012

Sambando na Cova dos Artistas
Ou Quando a Poesia de Cartola Fodeu
Ernesto em Madureira
E lá estava o
cara de espiga de milho do Ernesto, embriagado, acendendo um novo cigarro na
guimba do antigo. Enfumaçava minha sala andando de um lado para outro, depois
resolveu falar (infelizmente) o motivo real de sua aflição.
– MADUREIRA!
– Que bosta,
Ernesto, o que tem Madureira…?
– Se o mundo
acabar na sexta eu vou morrer sem nunca ter morado em outro lugar…
– Vá chupar gelo,
cara… Faça-me o favor…
– Não serei
respeitado pelos sobreviventes, Pitz! Um poeta como eu perdido nas cavernas da
ignorância! Terrível! Fodido! Passista! MADUREIRA!
– E Cartola…?
– Que Cartola?
– O da
Mangueira…
– Que tem ele?
– Era mais poeta
que você.
– MAS EU SOU
LOIRO! NEM PRA SER FAVELADO OU SÍMBOLO DE CULTURA CARIOCA ENLATADA EU SIRVO!
NÃO SE PODE SER EUROPEU DEMAIS NA TERRA DO BRONZEADO PERMANENTE!
– Está dizendo
que Cartola só fez sucesso por ser negro…?
– Estou dizendo
que não quero morrer em Madureira. O resto é a tequila falando sozinha.
– Entendo.
Ernesto é filho
de portugueses, magro, e pálido com seus cabelos lisos puxados para trás caindo
(fixo-bagunçado-sebosos e com gel) até a altura dos ombros. Os olhos são
pequenos, de um verde querendo reviver cinza, pregados com força dentro das
enormes cavidades cranianas destinadas aos olhos. Cara estranho, eu acho,
encerado, meio boneco, mas a mulherada até que dá mole. Sempre de calça jeans
surrada, tênis all star preto, alguma camisa trazendo dizeres como “Salvem as Baleias”
ou “Salvem a Palestina”, barba por fazer. Quase um Jesus moderno.
– Não te incomoda
viver aqui em Piedade?
– Às vezes…
– Explique o teu
“às vezes”.
– Quando a água
acaba sem nenhuma informação da Cedae eu fico puto por morar aqui. Eu sei que
isso acontece para não faltar água nos hotéis e na parte da orla, mas… É
assim que funciona… E quando acaba a luz no subúrbio sem nenhum aviso: é a
mesma coisa. Segurar de um lado para abastecer o outro. Essas coisas todas aí
me aborrecem! É injusto, obsceno!
– Só…?
– Não, tem a
questão cultural também, mas aí o papo vai se arrastar até o rabo do seu finado
tatatataravô nas caravelas.
– Portugal,
escravidão, primeira república…
– Descanse a
boca e beba algo, rápido.
Serviu tequila
nos dois copos. Bebi. Serviu mais duas.

– Eu não acho
justo morrer sem conhecer o mundo. Não consigo tolerar a ideia de ter passado a
vida em um lugar só. Meus pais enterraram a gente lá naquele bueiro! Casa,
comércio. Agora eles morrem e eu tenho que seguir sendo confeiteiro em Madureira.
Mas eu sou poeta, sempre fui! POETA!
– Posso te pedir
uma coisa?
– O quê?
– Vá embora.
– Mas o que eu
fiz, cara?!
– Nada, só quero
ficar sozinho. Esse papo de bairro, mundo, tribo, essa merda de assunto está me
doendo o juízo. Sacou? Não se pode puxar o mundo com barbantes. Use isso tudo e
faça uma corda.
– Não entendi.
– Felicidade
real é estado de espírito, cara… Não vê o Adriano, jogador de futebol.
Prefere a favela! Ofereceram a ele palácios romanos e ele preferiu uma gelada
com os amigos dele numa piscina de plástico.
– Maluco.
– Todos nós. Eu
prefiro os palácios, mas entendo o Adriano.
– Ainda quer que
eu vá embora?
– Por favor!
– Se o mundo não
acabar a gente marca uma boa lá em casa. O Gurgel escreveu um livro de poesias
sobre a crueldade das ruas do Rio. E tem uma amiga minha que está com uns
contatos legais aí.
– Amém.
Caminhei com ele
até o portão. Nem perguntei se estava em condições de dirigir.
Ligou o Pálio
preto e manobrou. Antes de seguir falou da janela:
– O Cartola é
produto de exportação. Quero ver fazer o que a gente faz aqui no pé do morro.
Em cima é mais fácil. Exportação, meu amigo. Exportação. A favela vale mais do
que o entorno hoje em dia.
Acho que não é Madureira
que ferra com o Ernesto; é Cartola. O que destrói Ernesto Olivares é a sombra dos
grandes poetas. A sombra dos julgamentos incessantes que ele faz de si em
relação aos outros. E a certeza de que a sombra aprazível dos mortos é imortal. De resto é um camarada legal, até com boa capacidade de escrita.
(Se o mundo não acabar
nos vemos na semana que vem. (in)Feliz Natal amigos malditos)

COMENTÁRIOS




OBS. O campo de e-mail é de preenchimento obrigatórios, mas uma vez preenchidos não será mostrado na mensagem. Já o campo de nome é obrigatório, mas pode ser preenchido com um pseudônimo.

1 Pessoa já Comentou

  1. Needed to write you one little bit of note just to give many thanks yet again for all the pleasing solutions you’ve shown on this website. It’s really unbelievably open-handed with you to offer openly what most of us could have offered as an electronic book to generate some profit for themselves, and in particular considering the fact that you could have tried it in case you considered necessary. Those tricks in addition worked to be a fantastic way to understand that many people have similar dream like my very own to learn more and more with regards to this issue. I believe there are many more enjoyable moments in the future for folks who start reading your blog.