Eu costumo prestar atenção em meu relógio

POSTADO POR: admin ter, 17 de novembro de 2015

Chuva, frio.

Correria, gente chegando, saindo.
Alguns indecisos no portão ou apenas interessados na proteção da Acácia, não sei ao certo.
Varrendo aqui, varrendo ali, pego o cesto de lixo e o esvazio.
Estou cansado.
Sigo com minha vassoura em mãos.
Entre um passo e outro, recolho um papel aqui, outro lá.
A cada movimento estou mais perto do portão.
E meu carrinho fica mais cheio a cada instante.
Olho meu relógio.
Os minutos são lentos como a própria eternidade.
“Há tempo pra tudo nessa vida”, penso.
E então o alarme de meu relógio desperta, são 18h cravadas.
É a minha deixa.

E tão logo bato o cadeado no portão, alguém grita, “senhor, senhor zelador, por favor, eu me atrasei, mas preciso acender uma vela e deixar essas flores”.
É a voz de um homem ofegante.
Fico um tanto quanto consternado, mas, mesmo assim, respondo a ele, “eu lamento, amigo, está atrasado, volte amanhã”, e antes de ouvir qualquer coisa, sumo por entre os túmulos e tomo meu caminho.
Sei que essa é uma atitude dura.
Mas é que eu tenho um encontro.
E quando me atraso, ela nunca me beija.

COMENTÁRIOS




OBS. O campo de e-mail é de preenchimento obrigatórios, mas uma vez preenchidos não será mostrado na mensagem. Já o campo de nome é obrigatório, mas pode ser preenchido com um pseudônimo.

Nenhum Comentário ainda. DEIXE O SEU!