5 Livros que farão você despedir o seu patrão e sair do seu emprego

POSTADO POR: admin ter, 07 de abril de 2015

Se você é uma pessoa realmente feliz com o seu trabalho, então deve concordar que faz parte de uma minoria privilegiada cada vez mais rara de se encontrar hoje em dia. A grande maioria encontra-se aprisionada a um emprego que detesta, exercendo o dobro do trabalho exigido pelo qual é pago, sendo parte deste esforço usado para executá-lo e outra parte para suportá-lo. Enfim, poucos são aqueles que carregam a coragem necessária para abandonar este estado estático e ousar vôos mais altos na vida.

Para aqueles que não faltam vontade de mudança e almejam respirar outros ares, aprender novas habilidades e investir em outros projetos, mas precisam de um fonte inspiradora para dar início a esse processo, listamos aqui alguns livros que, com certeza, farão você espiar por cima das cercas do lugar onde trabalha agora.
✔ Matteo Perdeu o Emprego, de Gonçalo M. Tavares
Matteo responde a um anúncio de emprego. Toca à campainha e uma mulher recebe-o. Mas a mulher apresenta uma particularidade estranha. É a primeira proposta de trabalho de Matteo em muitos meses: aceita-a. Mas Matteo não suporta aquele ofício durante muito tempo. Responde a um novo anúncio. Toca à campainha e um homem abre a porta e recebe-o. De novo, a mesma particularidade estranha.
Tudo pode parecer banal se não for olhado com atenção. Este livro nos convida a refletir sobre verdade tão simples. Um homem a correr ao redor de uma rotunda pode ser só um homem a correr ao redor de uma rotunda ou pode ser uma ligação para outra pessoa que o olha pela janela. Como peças de um dominó, as personagens que você vai conhecer aqui vão se tocando, umas às outras, até chegarmos a Matteo, o homem que perdeu o emprego. Um curioso sistema de ligações, associando ficção a um ensaio que nos surpreende no final (Editora Foz).
✔ On The Road, de Jack Kerouac
Como o gemido lancinante e dolorido de “Uivo”, de Allen Ginsberg, o brado irreverente e drogado de “Almoço Nu”, de William Burroughs, ou a lírica emocionada e emocionante de Lawrence Ferlinghetti, “On the Road” escancarou ao mundo o lado sombrio do sonho americano. A partir da trip de dois jovens – Sal Paradise e Dean Moriarty –, de Paterson, New Jersey, até a costa oeste dos Estados Unidos, atravessando literalmente o país inteiro a partir da lendária Rota 66, Jack Kerouac inaugurou uma nova forma de narrar.
Em abril de 1951, entorpecido por benzedrina e café, inspirado pelo jazz, Kerouac escreveu em três semanas a primeira versão do que viria a ser “On the Road”. Uma prosa espontânea, como ele mesmo chamava: uma técnica parecida com a do fluxo de consciência. Mas o manuscrito foi rejeitado por diversos editores e o livro foi publicado somente em 1957, após alterações exigidas pelos editores.
A obra-prima de Kerouac foi escrita fundindo ação, emoção, sonho, reflexão e ambiente. Nesta nova literatura, o autor procurou captar a sonoridade das ruas, das planícies e das estradas americanas para criar um livro que transformaria milhares de cabeças, influenciando definitivamente todos os movimentos de vanguarda, do be bop ao rock, o pop, os hippies, o movimento punk e tudo o mais que sacudiu a arte e o comportamento da juventude na segunda metade do século XX (Editora L&PM).
✔ Coelho Corre, de John Updike
Ambicioso panorama da vida norte-americana nas últimas três turbulentas décadas, a série de quatro romances em que John Updike recria a trajetória de um americano comum, Harry Angstrom, o Coelho, tem início com este Coelho corre, lançado em 1960 – os outros são Coelho em crise (1971), Coelho cresce (1981) e Coelho cai (1990).
Harry “Coelho” Angstrom tem 26 anos e é uma antiga estrela do basquetebol. Casado com a sua namorada do liceu (alcoólica e grávida do segundo filho), vive nos subúrbios da Pennsylvania e é vendedor de acessórios de cozinha. “Coelho” começa a sentir que a sua vida não faz sentido e que só tem duas hipóteses: tentar fazer com que a sua vida seja melhor ou fugir. Decide fugir e abandona a família. Quando parte em direção a Virgínia encontra o seu antigo treinador que o apresenta a Ruth, uma prostituta, e nessa mesma noite começam a viver juntos. “Coelho” só não sabe o que o futuro lhe reserva…
Neste volume, o jovem Coelho, ao se confrontar com uma vida que lhe parece mesquinha e sufocante, despede-se de suas ilusões juvenis, mas não abandona a inquietação existencial que o torna um dos personagens mais interessantes da literatura contemporânea (Companhia das Letras).
✔ O Precariado – A nova classe perigosa, de Guy Standing
Nos anos 1970, economistas neoliberais passaram a defender a ideia de que o crescimento e o desenvolvimento dependiam da competitividade do mercado. A partir daí, a maximização da concorrência e a licença para que os princípios de mercado de trabalho permeassem todos os aspectos da vida moldaram uma nova classe social mundial, emergente e ainda em formação: o “precariado”.
O precariado: A nova classe perigosa é uma obra necessária e urgente, que apresenta as características desse novo grupo e oferece aos leitores uma sólida reflexão política e socioeconômica que compreende a nova ordem social global e responde aos anseios dos indivíduos dessa nova classe, que não se sentem ancorados em uma vida de garantias trabalhistas, não possuem empregos permanentes e muitas vezes nem sequer sabem que integram a classe dos precariados.
Aqueles que estão no precariado carecem de autoestima e dignidade social em seu trabalho; devem procurar por esse apreço em outro lugar, com sucesso ou não. Se forem bem-sucedidos, a inutilidade das tarefas que são obrigados a fazer em seus empregos efêmeros e indesejáveis pode ser reduzida, na medida em que a frustração de status será diminuída. Mas a capacidade de encontrar a autoestima sustentável no precariado quase sempre é vã. Existe o perigo de se ter uma sensação de engajamento constante, mas também de estar isolado no meio de uma multidão solitária.
O resultado é uma crescente massa de pessoas – em potencial, todos nós que estamos fora da elite, ancorada em sua riqueza e seu desapego da sociedade – em situações que só podem ser descritas como alienadas, anômicas, ansiosas e propensas à raiva. O sinal de advertência é o descompromisso político. A esperança consiste em investir na liberdade associativa (Editora Autêntica).
✔ Maestria, de Robert Greene
Além de serem considerados mestres no que faziam o que Mozart, Leonardo da Vinci e Thomas Edison têm em comum? Como foi que alcançaram a excelência? Que escolhas fizeram com que se destacassem tanto de seus contemporâneos? 
Após realizar um grande estudo de várias personalidades fascinantes e bem-sucedidas – entre políticos, estrategistas, artistas, cientistas e inventores -, Robert Greene percebeu que todas essas pessoas, independentemente de sua área, da cultura a que pertenciam ou do momento histórico, seguiram um padrão similar em suas conquistas. E concluiu que o caminho para a maestria pode ser percorrido por qualquer um de nós. 
Neste livro, Greene examina pesquisas recentes sobre cognição e criatividade, e derruba os mitos da sorte e da genialidade inata, propondo uma maneira radical de examinar a inteligência humana. Ele explica o que é necessário para uma pessoa comum se tornar um mestre: a capacidade de se dedicar totalmente a um tema de seu interesse, a insistência em um aprendizado contínuo e focado, a liberdade criativa adquirida com o domínio da habilidade e a coragem de ser diferente e enfrentar desafios (Editora Sextante).
Veja Também:

-Livros que possuem a sua própria Trilha Sonora

COMENTÁRIOS




OBS. O campo de e-mail é de preenchimento obrigatórios, mas uma vez preenchidos não será mostrado na mensagem. Já o campo de nome é obrigatório, mas pode ser preenchido com um pseudônimo.

9 Pessoas já Comentaram

  1. I’m not sure why but this weblog is loading incredibly slow for
    me. Is anyone else having this problem or is it a problem on my end?
    I’ll check back later on and see if the problem still exists.

  2. Thanks for another informative website. Where else could I get that kind of information written in such an ideal way? I have a project that I’m just now working on, and I have been on the look out for such information.

  3. I am really happy to glance at this website posts which consists of plenty of valuable data,
    thanks for providing such statistics.

  4. Thank you for any other wonderful article. The place else could anyone get that
    kind of info in such a perfect means of writing?
    I’ve a presentation subsequent week, and I am at the look for
    such information.

  5. Hello There. I found your blog using msn. This is a very well written article.
    I’ll make sure to bookmark it and come back to read
    more of your useful info. Thanks for the post.
    I will certainly comeback.

  6. It’s awesome to go to see this web page and
    reading the views of all mates on the topic of
    this paragraph, while I am also eager of getting experience.

  7. Usually I do not read post on blogs, but I wish to say that this
    write-up very pressured me to take a look
    at and do it! Your writing taste has been amazed me.
    Thank you, very nice post.

  8. Hello, you used to write fantastic, but the last several posts have been kinda boringK I miss your tremendous writings. Past several posts are just a little bit out of track! come on!

  9. Camila disse:

    Só para variar… Adorei as indicações!!!
    Mas quem é que tem tempo para tanto livro bom assim?
    Beijos
    Camis – Leitora Compulsiva